Salvaguardar o matrimônio como lugar de amor e fidelidade

Sexta, 15/Jun/2018 – Ano B – Evangelho São Marcos.

10ª Semana Tempo Comum – Reflexão sobre Palavra de Deus.

Pe. Cássio Santos, CSS – Santuário Nsa Sra de Fátima – Palmas-TO.

 

Semeando a Palavra de Deus

“Sei que a bondade do Senhor eu hei de ver na terra dos viventes. Espera no Senhor e tem coragem, espera no Senhor!” (Salmo 26).

 

Leituras do dia – 1ª: 1 Reis 19,9.11-16 – Salmo: 26(27) – Evangelho: Mateus 5,27-32.

 

O evangelho de hoje está inspirado nas bem-aventuranças. Jesus explicitou que não veio para abolir a Lei e os Profetas, mas para dar-lhe pleno cumprimento, ou seja, pleno sentido. Então, a mensagem do evangelho de hoje está voltada para salvaguardar o matrimônio como uma comunidade de amor e de respeito, marcada pela indissolubilidade, fidelidade e comunhão. Jesus considera os atos adúlteros como uma ofensa e um obstáculo à comunhão do matrimônio. Por isso, Jesus condena a prática do adultério que fere a fidelidade e a fecundidade do matrimônio. Para Jesus o adultério acontece deste os sentidos aos desejos: “Eu, porém, vos digo, todo aquele que olhar para uma mulher com o desejo de possuí-la já cometeu adultério com ela no seu coração” (v. 28). Peçamos ao Senhor para purificar o olhar de concupiscência e desejos desordenados para as pessoas, a fim de evitarmos consentir o pecado. No evangelho, Jesus usa uma linguagem forte, para falar que devemos romper com o pecado; começando pelos pensamentos pecaminosos e os desejos que surgem por meio do olhar, e que podem, também, concretizar-se por meio das mãos e dos pés. O olhar pode ser fonte de desejo e de concupiscência. Através do olhar, pode-se criar fantasias pecaminosas. Quando Jesus diz arranca o olho direito e joga fora para longe, está falando da mudança interior que deve partir de cada pessoa; é uma forma radical de não compactuar com o pecado. Da mesma forma, Jesus cita a mão direita. Com a mão podemos tocar e agir com atos e intenções pecaminosos. Por isso, segundo Jesus é preciso ser radical com a não prática do pecado. E tudo isso está ligado ao pecado que pode ferir a ordem da fidelidade e da indissolubilidade do matrimônio. Tudo o que concorre para a destruição do matrimônio Jesus condena, e nos convida a cultivar uma nova forma de vida pautada pela justiça, pela reconciliação, pelo perdão, pela fidelidade, e por fim, pela comunhão. Como você está vivendo o sacramento do matrimônio?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *